in

Odontofobia: como acalmar o seu paciente durante uma consulta?

Você já deve ter ouvido falar que o cirurgião-dentista está entre os profissionais que mais causam medo em seus pacientes. Tanto é verdade que existe até um termo utilizado para denominar esse medo: a odontofobia. E é claro que esse temor afastam pacientes que, mesmo apresentando necessidades de realizar procedimentos odontológicos, resistem e preferem se manter longe dos consultórios.

Por ser comum, a odontofobia traz muitos problemas tanto para pacientes, como para dentistas. Muitos profissionais não sabem o que fazer para acalmar o cliente e, assim, a experiência se torna desagradável para ambos. É importante lembrar ainda que não são apenas as crianças que sofrem com o medo de dentista, já que muitos adultos apresentam a fobia em decorrência de algum trauma.

Talvez você considere infundado o medo dos pacientes, entretanto, é preciso entender que as experiências dos seus pacientes são interpretadas de maneira muito individual e sob a ótica puramente emocional e, por isso, o medo pode ter uma explicação. Assim como qualquer outro problema, a odontofobia tem solução e os profissionais podem ajudar o paciente na superação do medo.

Abaixo você encontra cinco dicas de como acalmar seu paciente durante uma consulta odontológica. Vejamos quais são:

Coloque-se no lugar do paciente

Apesar de não compreender o medo que o cliente sente ao ir ao consultório odontológico, o dentista precisa ser empático e se colocar no lugar do paciente. Muitas pessoas sofrem não somente no momento do atendimento, mas também de forma antecipada – horas ou dias que antecedem a consulta –  por conta da ansiedade. 

O primeiro passo para entender o medo do paciente é imaginar como você, no lugar dele, se sentiria deitado, de forma vulnerável e pouco confortável, em uma cadeira gelada e por vezes pequena, em um consultório de paredes brancas e de aspecto frio e impessoal. À sua frente, uma luminária que direciona luz em sua direção. Acima, um teto completamente branco. Tudo lembra um hospital – e geralmente as pessoas também não guardam boas recordações de um hospital. 

Tudo isso contribui para uma sensação negativa e temerosa. Neste caso, é muito importante que o cirurgião-dentista esteja atendo ao comportamento do paciente, sobretudo as suas expressões faciais. Geralmente o medo fica estampado no rosto das pessoas. Percebendo-se disso, deve o profissional conversar com o paciente, buscando identificar as causas desse sentimento. Diga-lhe que você percebeu o temor do paciente e que gostaria de saber exatamente aquilo que está provocando esse estado emocional. 

O pior a se fazer é subestimar o medo do paciente, tentado minimizar ou mesmo ridicularizar esse sentimento. Ao contrário, mostre-se compreensivo; coloque-se ao lado dele, demonstrando empatia e solidariedade. Diga-lhe que ele não é o único a temer a consulta, e que você sabe exatamente o que fazer para tornar essa experiência a mais agradável possível para o paciente. Comente que você terá o máximo de cuidado, atenção e sensibilidade durante o atendimento, deixando o paciente muito à vontade para relatar dor ou incômodo.

Humanize o atendimento

A clínica e o atendimento odontológico devem ser humanizados para que o paciente se inta seguro e confortável. No que tange ao ambiente físico, tente trazer mais vida, alegria e leveza ao espaço. Substitua paredes brancas – sobretudo da recepção e do seu consultório – por cores frias (tons claros de verdes, azuis e lilases), adesivos ou mesmo papéis de parede. Lembre-se que o branco remete a hospital, que por si só não nunca traz boas lembranças. 

Na recepção, poltronas individuais e confortáveis, ar-condicionado silencioso, música ambiente em volume baixo – que não incomode e não impeça as pessoas de conversar – wi-fi à disposição, além de água mineral. A secretária, sempre simpática e discreta, deve sempre utilizar um tom de voz também discreto e se mostrar sempre solícita e preocupada com o paciente.

Recomenda-se, na primeira consulta do paciente, orientá-lo quanto aos procedimentos que serão realizados pelo dentista durante o atendimento. Sendo assim, a secretária deverá explicar ao paciente tudo o que vai acontecer no consultório do cirurgião-dentista durante a consulta, tornando a experiência previsível. As perguntas que o dentista fará, quais procedimentos serão realizados. É também importante que a secretária deixe o paciente a vontade para fazer perguntas ao profissional e fazer comentários sobre possíveis desconfortos. Quanto mais ciente o paciente estiver do processo de atendimento clínico, menor será sua ansiedade e consequentemente o seu medo. 

Cuidado com os barulhos!

Os barulhos de um consultório odontológico são gatilhos para pacientes com odontofobia. Isso porque muitos tiveram experiências ruins graças a equipamentos agressivos e, assim, associam o trauma ao barulho dos instrumentos. Esse problema apresenta uma solução um pouco mais complexa, mas não impossível: é importante conversar com um arquiteto, um engenheiro ou um profissional especialista em som para que o barulho dos equipamentos seja isolado e não chegue até a recepção – local em que o paciente costuma esperar. 

Até mesmo na recepção se faz necessário reduzir os ruídos visando o conforto e tranquilidade dos pacientes. O volume da TV, da música ambiente e dos equipamentos – como computador e telefone – devem estar regulados na altura mínima. Os sons externos também devem ser evitados, através de fechamento das portas e janelas. 

Tempo mínimo de espera

Deixar o paciente esperar por um longo tempo não é uma boa alternativa quando o cliente já está nervoso e/ou ansioso. Quanto mais tempo o paciente espera, mais ele pensa e acumula ansiedade. Por isso, caso um imprevisto surja, peça para que a secretária avise o cliente com antecedência sobre o atraso.

Além de diminuir a ansiedade e o estresse do paciente, realizar o atendimento no horário é um ponto positivo para a reputação da clínica, o que pode gerar um marketing positivo entre os pacientes e possíveis novos clientes.

Cheiros que acalmam

Um artifício cada vez mais utilizados em clínicas odontológicas diz respeito à aromaterapia. A aromaterapia é uma técnica natural que utiliza o aroma e as partículas liberadas por diferentes óleos essenciais para estimular diferentes partes do cérebro, ajudando a, entre outros, aliviar sintomas de ansiedade, trazendo bem estar e conforto. 

Adquira e instale difusores de aroma ambiental em todos os cômodos frequentados pelos pacientes, sobretudo a recepção e os consultórios odontológicos. Os óleos essenciais mais recomendados para casos de tensão, ansiedade e nervosismo são o de capim-limão, lavanda, manjerona, ilangue-ilangue e jasmim. 

Autor: Fábio Iwakura

Aprenda a controlar o fluxo de caixa de seu consultório com precisão

Seu desejo é uma ordem!